Peso e qualidade marcam o primeiro EP da Dentro do Alcance

Por: Vinícius Aliprandino

por-lucas-roberto
Crédito da imagem: Lucas Roberto

No mês passado a banda paulista Dentro do Alcance lançou seu primeiro EP. Com 8 faixas, o álbum carrega o nome da banda e traz um rock alternativo com elementos do hardcore.

A banda é formada por Rafael Cerdeira (vocal/teclado), Samuel Oliveira (guitarra solo), Ronaldo Moreno (guitarra base/backing vocal), Wellington Oliveira (baixo/backing vocal) e Marcel Andrade (bateria). O grupo traz influências de bandas como Bring me the Horizon, Linkin Park, Pink Floyd, Rancore, Queens of the Stone Age e Incubus; e teve seu projeto inicial em 2011, conseguindo se consolidar como banda no final de 2015.

O EP do quinteto se inicia com a faixa “Alfa” trazendo muito peso e riffs que abrem o álbum com responsabilidade na canção que recita os versos “Eu não sou nada, mas tudo posso ser, eu vim do nada, eu logo te criei”.

Em seguida é a vez da faixa e número dois “Que Se Faça a Luz”. Quase sem tempo para respirar a música começa dando continuidade ao ritmo frenético com baterias presentes muito destacadas e muito peso trazido pelo baixo. Desta vez a canção é mais lenta em algumas partes, mas sem perder a energia. A música traz um ar caótico para o álbum enquanto o vocalista Rafael Cerdeira canta os versos “Que se faça a luz, carregue sua cruz, o meu olho tudo vê”.

Acaso” é a terceira música do álbum e tem seu início no piano. A canção que começa calma, aos poucos vai pegando velocidade compassada pela bateria. “No canto do olhar mora a perdição, muitos vão salivar, eu sei. Pode me torturar ocultando no breu. Ninguém vai questionar, ninguém. Gravidade, ação e reação. O acaso enfim nos abraçou” são as palavras que marcam a poesia de “Acaso”.

capa-do-ep-por-fernanda-almeida-e-thais-gomez
Crédito da arte: Fernanda Almeida e Thais Gomez

Com a calmaria das águas e um riff de guitarra “Pairando sobre as águas” vem no formato de break no meio do EP abrindo caminho para a quinta música do álbum. Contrariando a ideia de calmaria e de que o nome “Âncora” deixaria o disco menos agressivo, a canção chega arregaçando tudo o que vê pela frente. “O céu e o mar vieram me abraçar. Dentro de mim o escuro controlar. Eu mergulhei no interior pra me encontrar. O vento leva e a maré traz fragmentos de memória. O oceano me forjou”, é parte da letra de uma canção rápida, furiosa e desesperada.

Quebrando essa catarse, a instrumental “Presságios Febris” traz um piano calmo que acalma os ânimos exaltados pela faixa anterior e prepara o terreno para “Amaterasu”, que apesar de seu início calmo, aumenta o ritmo progressivamente.

Para encerrar o EP co chave de ouro, “Ômega” abre com a bateria e o baixo mostrando que a última faixa veio pra finalizar o álbum com a mesma qualidade das canções anteriores. “Contra a correnteza é por onde eu vou. Lado negro da força invade o meu ser e consome minha alma”.

Confiram o EP da Dentro do Alcance clicando no link abaixo e conheçam melhor o trabalho da banda através da página no Facebook.

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s