francisco, el hombre conversa com o Papo Alternativo

Por: Vinícius Aliprandino

francisco el hombre 4
Crédito da foto: Rodrigo Gianesi

A cada dia recebendo mais reconhecimento do público, a francisco el hombre segue fazendo vários shows, não só pelo Brasil, mas também por outros países da América Latina. Formada por três brasileiros e dois mexicanos, além dos palcos brasucas, a banda já tocou por Uruguai, Argentina, Chile, Cuba e México.

Em Cuba, o grupo, inclusive, chegou a gravar o videoclipe da canção “Triste, Louca ou Má“. A música traz uma mensagem fortemente feminista e o vídeo já tem mais de 1 mi e 200 mil visualizações no Youtube.

“Que um homem não te define
Sua casa não te define
Sua carne não te define
Você é seu próprio lar”

A francisco, el hombre já lançou dois EPs (“Nudez” e “La Pachanga!“) e no ano passado foi a vez do grupo dar vida a um álbum completo (SOLTASBRUXA). A banda conta com Sebastián Piracés-UgarteMateo Piracés-Ugarte, Andrei Martinez KozyreffJuliana StrassacapaRafael Gomes.

Somos três brasileiros e dois mexicanos ​ ​ que se sentem mais brasileiros do que outra coisa! Mas o México é um país muito legal e pode ser que nossos estômagos sejam mais mexicanos que outras partes nossas” contou a banda ao Papo Alternativo.

As músicas do quinteto são escritas e cantadas em dois idiomas – o português e o espanhol. Deste modo, o grupo encontra facilidade para cruzar todas as fronteiras da América Latina.

O Papo Alternativo entrevistou a banda, que nos contou um pouco mais sobre o trabalho, além de assuntos como os planos para 2017, o sucesso do clipe de “Triste, Louca ou Má” e a abordagem mais politizada que grupo teve no álbum lançado. Confiram a entrevista logo abaixo.


francisco el hombre

(Papo Alternativo) Olá, galera, primeiramente, obrigado por conversar com o Papo Alternativo. Pra começar conta pra gente como a banda surgiu e como vocês, sendo três brasileiros e dois mexicanos, se conheceram?

(francisco, el hombre) A gente é quem agradece o papo 🙂 Dizem por aí que Séb e Mateo são irmãos de sangue. Sempre tem quem duvide, mas o que se conta é que os pais viviam se mudando de país por conta do trabalho até que se cansaram e resolveram morar no Brasil. Escolheram um cantinho ali nas redondezas de Campinas pra viver. Um belo dia, o Séb resolveu que tocar era legal. Montou umas bandinhas punks por aí quando era adolescente. O Mateo que também já curtia fazer música também foi fazendo seu caminho no punk rock. Foram tocar em Sorocaba u ​mas pares​ de vezes e descobriram umas bandas legais na cena punk de lá. O Andrei tocava em uma dessas. Entre a galera de Sorocaba tinha uma garota com uma voz fabulosa que chamava Juliana. Em algum momento, essas bandas já ​es​ tavam todas juntas, misturadas e tocando bastante na cena de Campinas. Daí acabavam dividindo a no ​ite​ com as bandas em que eu ​ ​ tocava por lá, depois da minha também adolescência na cena punk de Goiânia. ​ U​ m dia alguém tava muito lo ​uco​ e soltou um “e se a gente saísse daqui dirigindo até o Chile?” e os outros acharam que essa id ​e​ ia idiota podia ser legal.

 

​​ (Papo Alternativo) Por que do nome “francisco, el ​ ​ hombre”?

(francisco, el hombre) Num universo não muito distante, existe um livro muito bacana que se chama “Cem Anos de Solidão”. Dentre várias pessoas que se sentiam sozinhas e vazias, mesmo sem saber disso, existia alguém que era chamado de “francisco, el hombre” ou “francisco, o homem” (nas melhores versões Herbert-Richers). Esse cara andava de vila em vila contando histórias que tinha vivido ​por intermédio da música. Em ‘Los viajes del viento’ diziam que tinha vencido até o diabo ​ com ela.​ Um personagem bastante inspirador pra um bando de malucos que só queriam viajar e descobrir ​ ​ através da música ​ ​ ​ alguma coisa do mundo ​ que fosse mais divertid​a que esperar ​ ​ sentados num sofá vermelho ​ a vida passar.

​​(Papo Alternativo) Quais as influências de cada um de vocês?

(francisco, el hombre) Todo mundo ouviu um ​ pouco​ de punk rock na adolescência, mas sempre se deixando levar pelas dicas de amigos que descobriam alguma música legal e que não tivesse uma mensagem zoada. Como era tudo um bando de festeiro, a gente acabou vendo que todo mundo na banda gostava de dançar e fazer dançar, mesmo que seja pra dançar sem jeito ​ – ​ o importante é o corpo mexer. Sabe quando eu disse que a gente foi dirigindo até o Chile (ou quase lá)? Pois é. ​ A gente ouviu um monte de canção bonita nessa viagem, vindas de pessoas que faziam a gente suspirar a cada palavra e acorde. Daí a gente achou que não era o suficiente e foi uma vez pro nordeste pedir carona na estrada e conhecer umas praias bonitas ​.​ Obviamente, ​descobrimos um monte de batucada que ​nos ​ alucinavam até o sol raiar. Nessa história toda, foi aparecendo um monte de coisa, mas que nem dá pra listar uma por uma. Ia acabar dando tilt no algoritmo ter que fazer uma lista com tudo que a gente gosta individualmente e coletivamente. No fim, a gente acaba se deixando influenciar pelas vivências e amizades musicais que a gente vai fazendo na estrada.

francisco el hombre 2

​​(Papo Alternativo) O fato de ter duas nacionalidades diferentes traz alguma dificuldade para a banda ou isso acaba mais ajudando, no caso de, por exemplo, ter o espanhol e português como idioma, facilitar o alcance da música de vocês, além de ser vantagem nas viagens da banda pelo continente?

(francisco, el hombre) Cultura enriquece o ser humano. Se eu puder viver 100 anos, espero aprender ainda mais um monte de línguas, conhecer muitos outros sotaques e todo o conhecimento que cada um deles traz consigo.

(Papo Alternativo)  P​or quais países, além do Brasil, vocês já tocaram nesse tempo?

Uruguai, Argentina, Chile, Cuba e México. Espero que antes do final do ano tenham mais um monte de nomes nessa lista.

​​(Papo Alternativo) Em “Soltasbruxa”, vocês abordaram o momento político do Brasil. Além disso, em suas músicas, vocês também abordam diferenças e preconceitos, que não deixam de ser um problema, não só do passado, mas também atual aqui no país. O que vocês pensam a respeito dessas questões, tanto da política partidária, quanto dos problemas com relação a preconceitos?

(francisco, el hombre) Vida é amor ​,​ ou pelo menos era pra ser. Se a gente espalhar mais amor, respeito e compreensão no mundo, aos poucos a gente muda as percepções sobre o mundo o suficiente pra caminhar junto pra uma realidade menos desigual e onde todo mundo possa viver bem. “Eu não quero fazer parte do jogo que tem por vencedor aquele que oprime o seu irmão ​ ​ (sua irmã)” – já diriam sábios mestres.

​​(Papo Alternativo) Explica pra gente o significado do nome do álbum “Soltasbruxa”.

(francisco, el hombre) É tipo um vômito, manja? Quando tem tanta energia dentro de você que não dá mais pra segurar e você expurga aquilo tudo junto, porque percebe que as pessoas ​a​ sua volta estão incomodadas com as mesmas coisas.

​​(Papo Alternativo) O clipe de “triste, louca ou má” tem sido muito bem reconhecido. Vocês já passaram de 1 milhão de visualizações. Conta pra gente um pouco sobre o vídeo e sua gravação, a temática da canção, que traz uma mensagem feminista, e como tem sido a repercussão deste trabalho.

(francisco, el hombre) Ninguém esperava isso tudo. Um dia, a Ju chegou com um texto lindo que ela tinha escrito e todo mundo já pôs a cabeça pra funcionar em como aquilo podia se tornar uma canção. O clipe foi uma continuação desse processo.
No ano passado a gente foi fazer uma turnê em Cuba. Acabamos decidindo fazer um documentário disso. Na pesquisa sobre o país, uma amiga mostrou o trabalho do Danza Voluminosa e a única coisa que todo mundo da banda e da equipe do documentário pensou foi que a gente precisava dar um jeito de conhecer aquelas divas. Gravar um videoclipe de ” ​t​riste, ​l​ouca ou ​má” com elas pareceu ser a melhor desculpa que a gente tinha pra poder se aproximar do trabalho. Ninguém se aguentou de tanta alegria quando ficou pronto!
Como homem, tem sido um processo de aprendizado muito importante pra mim ver a reação das minas nos shows e os relatos que chegam de como essa música é tocante e tem sido importante na vida dessas mulheres que compartilham suas histórias com a gente.

​​(Papo Alternativo) Quais os planos da francisco, el ​ ​ hombre ainda para 2017?

(francisco, el hombre) Tocar o máximo possível, fazer o máximo possível de novas amizades, conhecer o maior número de lugares bonitos que for possível, fazer novas canções sobre tudo que a gente viver nesse meio tempo e, se nada disso for possível, a gente vai fazer o impossível mesmo, porque essa ​é nossa única escolha.

​​(Papo Alternativo) Pessoal, a entrevista está chegando ao fim. Mais uma vez, obrigado por baterem esse papo alternativo com a gente. Está ultima questão é reservada para vocês deixarem um recado para quem leu essa conversa e o público da banda em geral.

(francisco, el hombre) Um beeeeijo e um bom dia pra vocês 🙂 Não se esqueçam das suas toalhas e caso a gente não se veja por aí: boa tarde e uma boa noite pra vocês também =*

francisco el hombre 5
Crédito: Nube Abe

Acompanhem o trabalho da francisco, el hombre, através do Bandcamp e da página oficial da banda no Facebook.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s