O “Insano Retorno” da Reforma Ativa

Por: Vinícius Aliprandino

48394035_1951627738290578_7000668474821312512_n

Representando a cena independente musical do interior de São Paulo, a banda Reforma Ativa lançou o seu primeiro EP. Insano Retorno“, já havia sido comentado aqui no Papo Alternativo, em uma entrevista realizada com a banda.

O trabalho traz 7 faixas, que contam com 5 faixas oficiais e duas bônus. Entre as canções estão “Desertor“, “Outra Torre“, “Seus Olhos“, “Nosso País“, “Medo“, “Psicose“, em versão 2.0; e “Queima de Arquivos“.

O álbum foi gravado e mixado no estúdio Vira Discos, na cidade de Ribeirão Preto-SP. A Reforma Ativa é da cidade de Brodowski-SP e conta com Ge Olivera (voz), Mandin Ardoni (guitarra), Valdir Jr. (guitarra), Rafael Peghini (baixo), e Murilo Henrique (bateria).

O Papo Alternativo preparou uma resenha faixa a faixa a respeito de “Insano Retorno” que você confere aqui.


 

Desertor

Dando o pontapé inicial no álbum, a faixa chega com um jeito psicodélico, falando de uma guerra, em especial a história de um soldado caminhando em meio a todo o terror causado por ela. A faixa fala sobre o medo, fraqueza e instinto. Esse terceiro é necessário para vencer os dois primeiros, frutos de todo o problema do ambiente hostil em que o personagem se encontra. Diante de todo o drama, cansado de mortes e tristeza, o soldado foge, tornando-se um desertor.

Destaque para o baixo de Peghini que aparece de maneira hipnotizante, mostrando o gingado do grave, ao longo de toda a faixa.

RA 2

 

“Outra Torre”

Em seguida a Reforma Ativa começa a colocar peso no EP. É a vez de “Outra Torre” e seu conforto apocalíptico. Com nome em referência à Torre de Babel, a canção fala sobre desentendimentos, olhar o copo meio vazio, dar valor demais ao orgulho e deixar de lado a busca por uma vida em sociedade.

Logo de cara, a música começa falando sobre um desnecessário desespero que toma conta do mundo e coloca valores na frente da compreensão, com paranoia diante de várias situações. Confortável e apocalíptica, a canção defende que sempre após a tempestade, tudo de ruim dá espaço para que as coisas positivas voltem a florescer.

Entretanto, “Outra Torre” alerta para o risco eminente aos quais estamos sujeitos em não buscarmos a conciliação. Ainda na canção, é abordado um tema atual em todo o mundo. A música fala sobre punição e o ato de fazer justiça com as próprias mãos, baseado em um tribunal de senso comum e próprio.

No final, a “Outra Torre” levantada, acaba mostrando que o caminho a ser trilhado com o ódio e discórdia, desaba em guerra, sangue, sacrifício e um novo governante para sujar as mãos com tudo isso.

“Pra que procurar guerra no Paraíso?
Pra que causar tristeza dentro de um sorriso ?
Se ao pó retornar
Ao pó da terra e retornar”

 

“Seus Olhos”

Se na faixa anterior, o disco já ganhava peso, em “Seus Olhos” ele acrescenta velocidade, com as guitarras agressivas e distorcidas. A letra é a mais romântica do disco e fala sobre atração e perdição.

Ao se entregar, sem conseguir resistir, o personagem entra na relação como se caísse em uma armadilha. Por ele, várias sensações são experimentadas diante da pessoa amada, tais como a perdição no olhar e jeito da pessoa amada, parecer estar transportado para um paraíso desconhecido e no final o medo e a frustração de ser castigado por um final de relacionamento, que não deu certo.

 

RA

 

“Nosso País”

A quarta faixa é “Nosso País” e aqui entra uma crítica direta à política e a forma de governar. Falando sobre as regalias e mordomias que os membros do executivo, legislativo e judiciário recebem, a música faz comparação entre o povo que o elege, e vive no sol ardente de cada dia; e em contraste do outro lado, os poderosos que em épocas de eleição, aparecem com abraços, sorrisos e promessas à população.

Contraste também que podemos perceber nos vocais e instrumentais. Em frases respostas aos versos cantados pelo vocalista Ge, os vocais de apoio exibem muita energia, cantando para que governantes e população ouçam, e mudem suas posturas diante de toda a situação.

 

“Medo”

Medo” é a faixa mais tranquila de “Insano Retorno” – estrofes com bateria tranquila, baixo centrado, guitarras sem distorção e o vocal que segue o ritmo, até que o refrão chegue e acabe com o medo de sorrir e de viver e dê novamente sensações quentes ao álbum.

 

“Psicose”

Ao chegar nas faixas bônus do EP, a primeira das canções já não é inédita. Lançada em uma live session antes do EP ficar pronto, a música chega em “Insano Retorno” na versão ao vivo.

Psicose” mostra um desejo insano que faz referência a um local conhecido por muita gente que mora, não apenas em Brodowski, mas também nas cidades da região. Na letra, quartos escuros são cantados como metáforas, para a insanidade do personagem da música, mas também chega na lembrança de muita gente, como os mesmos corredores e quartos do antigo sanatório abandonado da cidade, que foi visitado em dias e noites por quem procurava diversão, refúgio, desafios e noites de loucura.

A música já havia ganhado uma versão de estúdio, que até acompanhava um clipe. Entretanto é nesta versão que ela ganha mais peso e faz ainda mais justiça à loucura e à vontade de liberdade e felicidade, que o personagem da música procura.

“Um homem sóbrio que não sabe o que quer
É como um louco que não sabe quem é
Assim como eu vivendo essa psicose
Assim como e na síndrome de muitas doses”

 

Clipe de “Psicose”

 

Queima de Arquivo

E encerrando o EP, “Queima de Arquivo” chega para além dos arquivos, queimar tudo mais. A canção, que, fazendo par com “Nosso País”, chega em tom de crítica, fúria e indignação com aqueles que utilizam da fome e desemprego para caçar votos. Fazendo da tragédia alheia, um trampolim para ascensão na vida politica e social. A “Queima de Arquivo” vai além da parte externa e física. A música fala sobre morrer internamente e aos poucos não sentir mais a revolta que faz levar as verdades adiante.

Enquanto os vocais de Ge rasgam as verdades pelo ar, a bateria de Murilo acompanha com batidas de revolta, também como se estivessem cortando em cada movimento das baquetas. Completando a cozinha, o grave do baixo vai além de cumprir o papel de vigilante que cuida da resistência e força da música. Aqui as cordas de Peghini passam por cima de tudo, feito uma máquina de demolição.

Insanamente, as guitarras de Valdir e Mandim, fazem par entre rifes e bases que parecem executar os passos de uma dança que antecede e exalta a ação contra toda a forma de opressão e alienação, que é o tema da canção.

Após ouvir o disco, pode-se dizer que em cada uma das 7 faixas, a insanidade que retorna e ganha o nome do álbum, é uma piração presente em todo o trabalho da Reforma Ativa. “Insano Retorno” tem uma mistura de ritmos que passam pelo alternativo, hard rock, hardcore, metal e até o grunge. Tudo em harmonia, consciência e crítica.


 

Confiram algumas das faixas de “Insano Retorno” nos links abaixo e acompanhem o trabalho da Reforma Ativa, através da página oficial da banda no Facebook. É possível adquirir o disco completo, entrando em contato com o grupo, diretamente, através da rede social.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.