Depressão é retratada em clipe de “Falta” – single de estreia de Ambivalente

Por: Vinícius Aliprandino

f95a188869eacf56f24473e8b1d2ff2d1f1f1338d0217b921a4855c03b67ab5e

Perdido, solitário e com a falta de alguém e de algo para preencher o vazio que se tem por dentro. Em confissão através da música e do vídeo, o cantor e compositor carioca, Rodolfo Ribeiro lançou, através de seu projeto Ambivalente, o clipe de “Falta”.

Em meio a solidão de uma praia, vagando pelo oceano através de um colchão que boia sobre as águas, o clipe faz do não verbal um complemento com a letra da canção. Áudio e vídeo buscam captar a difícil e pesada sensação de quem convive e luta contra a depressão.

A faixa conta a respeito de ter alguém com quem contar, de modo que essa pessoa não se canse de estar ali junto com quem mais precisa dela. “Falta” também diz respeito a tentar voltar a ser como era no passado, quando em outras ocasiões tudo parecia ser mais simples e mais feliz.  A baixa auto estima também é retratada no trabalho, através d a insegurança e do medo de ficar sozinho.

Ao final da música, é possível perceber que o personagem aprendeu a lidar com a situação. “Ele é tão pé no chão que não conseguiu sonhar” demonstra alguém que nada espera do mundo, a não ser sua realidade. Viver um dia de cada vez, lidando com a situação, sem esperar muito. Sentimentos esses que são reforçados nas próximas linhas da poesia que mostram que apesar de toda a dor, uma hora a pessoa aprende a não esperar nada dos outros, para não se decepcionar e nem criar expectativas.

Entretanto, no último verso é relatado que apesar de toda a luta, a batalha não está finalizada. E talvez nunca esteja, o monstro é algo para ser combatido constantemente, porém ainda resta a dúvida – “Mas então por que ainda falta?” constrói a ideia de que o vazio talvez permaneça por ali e o importante seja como saber enfrentar e conviver com ele.

67237231_911543005911229_8748023808360710144_n

As cenas que se desenrolam ao longo do clipe fazem par com as reflexões ao longo da música. O colchão foi pensado pela equipe de produção e pelo próprio Ambivalente, com a intenção de representar a situação de não conseguir sair da cama e da depressão te acompanhar por a pessoa for.

Em outra interpretação, ao mesmo tempo e sem fugir do tema, pode-se também entender que o personagem carrega o colchão, que o impede de afundar na água e o faz seguir remando, através de longas caminhadas na areia de uma praia. Da mesma forma como deve ser vivido um dia de cada vez, a fim de não se deixar afundar na tristeza e saber onde pisar para não se decepcionar com as surpresas da vida, de modo a sempre carregar o seu próprio mundo e trabalhar a força que não o deixa desabar.

O clipe teve roteiro e concepção realizados pelo próprio Rodolfo Ribeiro, e Juliana Colinas. A direção também ficou a cargo de Juliana Colinas. A parte de assistência de direção ficou sob a responsabilidade de Guilherme Miranda, que juntamente com Colinas cuidou da edição de vídeo. O lettering foi realizado por Igor Fajardo.

A faixa foi gravada no Estúdio Fazendinha, em junho de 2018. A produção musical ficou a cargo de Patrick Laplan, enquanto que a  mixagem foi feita  por  Victor Rice e a masterização por Renato Alscher.

A canção faz parte do disco “Memorycard“. O trabalho, que contará com oito faixas e será lançado ainda este ano, levanta questões sobre saúde mental e liquidez das relações.

Confiram o clipe de “Falta” no link abaixo e acompanhem o trabalho de Ambivalente, através da página oficial do projeto no Facebook e no Instagram.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s