Faixa a faixa – Varal Estrela apresenta seu disco de estreia

Por: Vinícius Aliprandino

Logo Varal Estrela

 

Em homenagem a todos os artistas interioranos, após um tempo divulgando o financiamento coletivo e mais um pouco de tempo para poderem dar vida ao trabalho, a banda Varal Estrela lança seu primeiro disco.

Carregando o nome da banda, o álbum de estreia do grupo apresenta 10 faixas que vão das mais calmas, passam pelas dançantes e chegam aos níveis agitados de rock and roll e muita influência da MPB, samba, maracatu e baião.

Foi em 26 de agosto deste ano que a banda publicou em suas redes sociais, agradecendo ao público que ajudou na concretização do sonho, que o financiamento coletivo já havia completado 100% da meta a ser atingida.

Depois foi a hora de colocar a mão na massa e trabalhar as canções que faltavam para finalizar o disco. A banda já havia lançado algumas das canções. Inclusive as faixas “Casarão”, “Maria”, “Furacão”, “Primeira Canção de Amor” e “Viagem Astral” foram notícia aqui mesmo no Papo Alternativo.

Além das 5 músicas, outras 5 integram o primeiro trabalho da Varal Estrela. São elas “Guri”, “Um Trem Pra Capital”, “Seguir”, “Sem Fim” e “Passarinho”.

No dia 25 de novembro, a banda já soltava cada um dos nomes do disco homônimo em publicação na página oficial da banda no Facebook. Tudo para já dar um gostinho do que estava por vir.

78358665_559779324872616_8577869122627436544_n
Foto por Pri Lopes / produção por Vanessa Monteiro

 


 

Faixa a faixa

 

“Casarão”

O disco tem sua porta de abertura com uma faixa já conhecida do público. “Casarão” ressaltando o jeito do interior, de um jeito calmo e com muito calor e olhos brotando em flor, recebe o púbico de braços e coração abertos, assim como a entrada de um casarão.

 

 

“Maria”

Em seguida, “Varal Estrela” traz outra faixa já conhecida do público. “Maria” com sua introdução, em uma guitarra com estilo bem blues e rock clássico conta a história de uma criança, a qual a vocalista Thais Rolim cuidou, quando essa ainda era um bebê.

Ao acompanhar o crescimento e presenciar a pureza do coração da criança, a banda decidiu colocar tudo isso em versos, notas e batidas, que resultaram em uma faixa com gingado de baixo e refrão potente e emocionante.

 

 

“Guri”

Com introdução nervosa e revezamento entre os vocais, a música fala sobre um garoto que caminha da vila para a cidade, carregando sempre um sorriso no rosto, brincando, cantando e com a inocência de uma criança.

A música é animada e traz batidas rápidas, acompanhadas de linhas de baixo destacadas, fazendo par com os solos de guitarra distorcida da canção, que em seguida abrem espaço para um refrão que gruda na cabeça com os versos de “Guri! Oh meu, guri!”.

 

78531806_741549826347286_6690549725558472704_o

 

“Primeira Canção de Amor”

Como o próprio título da música já diz, esta é uma canção romântica. A letra fala de uma pessoa que tenta resistir a uma paixão, mas que, sem conseguir, se entrega ao amor. A canção é leve e tranquila sonoramente, assim como o que sua letra significa. A liberdade em saber que o verdadeiro amor sempre estará a sua espera, por mais longe que os envolvidos em uma relação possam estar.

 

 

“Um Trem Pra Capital”

Se a faixa anterior era a segunda mais curta do disco, “Um trem Pra Capital” recebe o título de a primeira na categoria. 1m40 de instrumental poderoso que parece narrar uma verdadeira viagem em uma estrada de ferro, rumo a capital. É possível sentir as árvores balançando na paisagem e toda a mudança da natureza que acontece em uma estrada e traz em cada ambiente percorrido, suas peculiaridades.

 

 

“Furacão”

Maracatu e o baião dão o ritmo para “Furacão”. A letra da canção reflete a respeito de procura por respostas e uma movimentação inquieta, surgida da necessidade de sair do momento de estagnação.

A letra da música surgiu em um dia em que Thais foi ao banco. Ao olhar para o céu, a vocalista percebeu que uma tempestade se aproximava. Aquele foi o clique para compor a letra da canção. O balanço é agitado, assim como a vida. Agitada, movimentada e com a sensação de estar em uma dança.

 

“Seguir”

Após a agitação de “Furacão”, o disco traz uma quebrada de ritmo. “Seguir” é mais melancólica, balada e fala sobre seguir caminhos diferentes, mas sabendo que um dia tudo voltará a ser como antes, ou não. Destaque para o solo de guitarra que corrobora na pegada triste da canção.

“Eu sei você tentou em avisar, deixou a porta aberta e foi pra não voltar”

 

 

“Viagem Astral”

O ponto místico mais alto de “Varal Estrela” se encontra em “Viagem Astral”. A letra da canção, composta pelo guitarrista Rodolfo Braga, descreve uma verdadeira viagem astral em que a pessoa faz e se vê de outro ângulo.

Expansão da consciência é um dos temas abordados ao longo da faixa. A música traz solos de trombones, batidas de percussão e intercala ritmos mais agitados, tomados pela ginga da guitarra e do baixo, com momentos mais calmos que simbolizam uma viagem por outras dimensões, espaço e tempo.

 

 

“Sem Fim”

O Varal Estrela é uma banda do interior de São Paulo. Ao longo dos discos várias canções trazem os traços interioranos, porém é em “Sem Fim” que a influência parece estar mais alta.

Sem perder o gingado, as batidas cativantes, os vocais suaves, a música mostra com um ritmo mais com cara de que encara uma imensidão do verde. A música conta sobre alguém que desistiu de uma relação e fugiu para longe de quem ama.

Porém, o personagem, em fuga, apesar de saber que a história chegou ao fim, leva consigo o amor e o carinho que foi cultivado no relacionamento, demonstrando que tudo é experiência e aprendizado. Muito longe de dizer que algo deu errado. Apenas teve ali seu final.

“Passarinho”

Voando e com movimento por onde passa, carregando ondas de amor, “Passarinho” surge para encerrar o disco. Com influências do samba e da MPB, a música é mais dançante e conta sobre alguém que voa rumo ao amor, sem se prender em nenhum lugar.

“Minha raiz é movediça, estou em casa onde for, eu já me acostumei com o movimento, por onde eu passo sou onda de amor”

 


 

Varal Estrela
Arte por J. Borges

 

Ficha técnica

O disco foi gravado por Gerson Santos, no Gersom Studio, na cidade de Itapeva – SP.
A mixagem e masterização foram realizadas por João Antunes, em Sorocaba – SP.

A arte da capa é um desenho feito em xilogravura que nasceu das mãos do artista J. Borges.

A produção de fotografia é de Vanessa Monteiro e o projeto gráfico de Guilherme Miranda.

Além dos integrantes da banda, o Varal Estrela contou com algumas participações especiais – Felipe Carvalho (bateria), Rogério Santos (bateria), Guilherme Carvalho (bateria), Gilliard Machado (percussão), Paulo Henrique (trombone), Pedro Costa (trompete), Camila Vieira (flauta), Tiago Giovani (teclados), Billy Umbrella (teclados), Hugo Rafael (vozes).

A capa, produzida em xilogravura por J. Borges, reflete em consonância as dez faixas do disco, e dialoga com as lendas e as histórias que envolvem a cidade de Itapeva – SP. Através desta arte, a banda também busca levar suas mensagens, saudades e seus sonhos de quem tem horário para partir, mas não para chegar.

A Varal Estrela conta com Thais Rolim, Lucas Silva, Rodolfo Braga e Thalles Macedo.

Confiram o disco no link abaixo e acompanhem o trabalho da Varal Estrela, através da página oficial da banda no Facebook e do perfil no Instagram.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.