Em clipe, Armada grita para expulsar “Os Ratos” do navio

Por: Vinícius Aliprandino

Arte por Paulo Rocker - matéria do Papo Alternativo
Arte por Paulo Rocker

Mesmo em quarentena, o navio do Armada segue cruzando os sete mares. Não há tempestade capaz de parar. Com os tripulantes isolados, de acordo com a recomendação da OMS, a banda aproveitou o momento para lançar um single e clipe, totalmente com a cara da banda.

Falando de histórias de embarcações, a vida pelos mares, a tempestade social, e a crítica política, o grupo paulistano, dos eternos marujos, lançou “Os Ratos“.

Música e clipe foram gravados a distância. Cada um dos integrantes, munido de seu celular, pôde fazer sua parte, em um momento que, não é possível e nem certo estarem juntos, mas também não podem deixar assuntos urgentes de lado.

Estamos vivendo um momento delicado e perigoso politicamente no Brasil, a necessidade de colocar para fora o que sentimos em relação a isso é muito grande. Não dá pra entrar em estúdio? Então vamos gravar com nossos celulares!”, conta o vocalista Henrike Baliú.

 

Punk, cru e direto

Com pouco mais de 1 minuto e 30 segundos, diferentemente da proposta inicial da banda, de não se limitar apenas ao punk rock, o som de “Os Ratos” segue uma linha mais crua.

Porém, este foi um momento apropriado para fazer a veia punk, que nunca deixa de estar presente nos trabalhos do Armada, aflorar, de modo a gritar contra a tormenta, pela qual o navio brasileiro está passando.

 

Navio sem rumo

Com forte crítica ao atual governo brasileiro, a banda faz questão de comparar o país a um navio sem rumo e sem alguém, que esteja conduzindo de maneira correta. Quem teria tomado conta, seriam os ratos.

Estes representam o atual governo que, ao invés de liderar, cuidar e propor soluções positivas, para um bem comum de toda a tripulação, preferem conduzir para as mais tumultuadas tempestades, que são capazes de afundar a embarcação.

 

“Não nasceram pra liderar / À deriva em alto mar / Se agarram à ilusão / E não há mais salvação / Vamos todos afundar / E os ratos sem compaixão / Abandonam o navio”

 

Nos versos do single, é possível perceber que os mesmos ratos estariam corroendo o casco do navio – com a democracia brasileira sendo, cada vez mais atacada.

 

 

Foto por Rafael Cusato - matéria do Papo Alternativo - banda Armada
Foto por Rafael Cusato

 

Edição e filmes B

A edição do clipe foi realizada pelo baixista Mauro Tracco, que, apesar da música fazer uma analogia entre a situação política e vários ratos dominando um barco, buscou mostrar de uma maneira mais explícita toda o jogo sujo do governo, interpretado pelos ratos.

Aproveitando cenas de filmes B dos anos 70 e 80, o músico fez, então, a relação entre os elementos.

A letra do Henrike é uma analogia, mas queria que as imagens fossem para outro lado. Queria que fossem explícitas, sem muito lugar pra subjetividade. A intenção é deixar o espectador nauseado com tanto rato, que é como nos sentimos em relação aos verdadeiros personagens aos quais a letra se refere”, explica o baixista.

A banda conta com Henrike Baliú (voz), Mauro Tracco (baixo), Arnaldo Rogano (bateria), Ricardo Galano (guitarra) e Alexandre Galindo (guitarra).

Então, tripulação, prestem atenção nos rumos do navio, tomem cuidado com quem pretende corroer as estruturas e sujar os ambientes; e confiram o clipe de “Os Ratos”.

Acompanhem o trabalho do Armada, através da página oficial da banda no Facebook e do perfil no Instagram.

 

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.